TInformando - links para os meus blogs, YouTub e facebook http://tinformando-meus-blogues.blogspot.com/

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Flashes & Floaters - A Sign of Retinal Detachment



Publicado em 29 de out de 2016
This educational video is intended to enlighten patients about the symptoms of flashes and floaters and what they mean.

What should you do if you do notice flashes or floaters in your vision? We hope to give you a better understanding of the reasons that you may experience these symptoms.

The symptoms of retinal detachment vary enormously. The most common symptoms will include flashing lights in the periphery of vision, floaters (particles interfering with your normal visual scene which sometimes look like a fly in front of your eyes or opaque dots or squiggles in the way of vision which move when you move your eye) and veils or cobwebs blocking vision.

Dilation involves drops which make your pupil big so your optometrist is able to assess the back of your eye right out into the periphery. We do not recommend that you drive for several hours after you have a dilating drops in your eyes as they can affect vision and cause uncomfortable and distracting glare. You may experience large pupils and more sensitivity to light for up to a day though most symptoms have usually resolved after 6 hours. The optometrist will complete an inner-eye examination, visual field check, pressure check, vision check and often advise an OCT scan to rule out other causes. If you are found to have a tear, break or detachment of the retina, the optometrist will get in contact with you local hospital eye department to arrange an ophthalmologist review.

Retinal detachment has several causes. It is normal that inside of the eye is filled with a jelly called the vitreous. As we get older it is normal for the jelly to pull away from the retina and become more liquid-like. Sometimes the jelly is attached in certain places more than others. When the jelly pulls away, letting go of the retina it is called a posterior (back of eye) vitreous (jelly in the eye) detachment (lets go).




When the jelly in the eye pulls on the retina at a weak link (usually at the periphery) and does not let go, the retina can tear causing a retinal detachment.




As mentioned earlier, you are more at risk of retinal detachment if you are a moderate to high myope (short-sighted/ minus prescription), if you have a family history of retinal detachment, previous retinal detachment in either eye, trauma to the eyes, cataract or other eye surgeries or diabetes.




Differential diagnosis- there are other reasons why you might experience flashing lights and floaters in your vision. These include but are not limited to:




Posterior vitreous detachment (PVD)
Migraine with aura
Vitreous haemorrhages
Vitreo-macular traction


Information relating to these conditions can be found elsewhere on our website.




Treatment- If the tear, hole or detachment is small and peripheral, it is often treated with laser, which can act like glue, holding the remaining retina in place. If it is larger or the macular is affected, surgery maybe required. This may include using gas or silicone to push the retina back into place. Your treatment will be planned in consultation with a retinal ophthalmologist.

If floaters are due to PVD (posterior vitreous detachment) only with no retinal detachment this normally does not require treatment as many people stop noticing floaters after a period of time. This maybe because floaters break up or because our brain stops noticing them.

It is possible to have persistant floaters removed by having a Floater-Vitrectomy if they are centrally placed and affect your vision adversely. This operation carries risks which vary from individual to individual. It is important to discuss this fully before proceeding with surgery.

You may be referred privately or through the NHS. You may choose the consultant you see, be seen quicker and may have faster treatment through a private consultation.

If you experience new flashes or floaters in your vision, or veils, cobweb appearance or reduced vision, you should be seen as soon as possible. Do not wait to see if the floaters disappear as they could be an indication of a more serious condition. A retinal detachment is a medical emergency!

Further information can be found on the Matheson Optometrists website.

http://www.matheson-optometrists.com

A list of local surgeons can be found in our eyecare providers section.

You may also wish to visit the informative site

http://www.sapphire-eyecare.co.uk

Descolamento da Retina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegaçãoSaltar para a pesquisa
Descolamento de retina
Imagem de lâmpada de fenda demonstrando o descolamento da retina em indivíduo com Síndrome de Von Hippel-Lindau.
Especialidadeoftalmologia
Classificação e recursos externos
CID-10H33
CID-9361
OMIM312530180050
DiseasesDB11417
MedlinePlus001027
eMedicineoph/504
MeSHD012163
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 
Descolamento de retina é uma enfermidade oftálmica onde ocorre a separação da retinada parede do fundo do olho.[1] Os indivíduos acometidos apresentam como sintomas um aumento no número dos grumos denominados "moscas volantes", flashes de luz e sombras em parte do campo de visão (devido a deterioração da visão periférica).[2][1] Essa condição pode ocorrer bilateralmente em cerca de 7% dos casos.[3]Sem tratamento, normalmente o quadro evolui para a perda permanente da visão.[4]


A causa mais comum do descolamento é a ruptura da retina, que permite que o humor vítreo extravase e a pressione para a frente. A ruptura pode ocorrer a partir do descolamento do vítreo posteriortraumatismoglaucoma, em pacientes com cirurgia prévia de cataratamiopia, complicações do diabetes mellitus ou inflamações graves.[1][5] Mais raramente, o descolamento de retina pode ser provocado por tumores de coloide.[6] O diagnóstico é feito por exames de fundo de olho ou de ultrassonografia.[1][4]
Em pacientes com ruptura da retina, utiliza-se a crioterapia ou a fotocoagulação a laser para evitar seu descolamento. Quando o descolamento já ocorreu, o tratamento deve ser feito imediatamente. A terapia de escolha pode incluir introflexão escleral, onde uma esponja de silicone é suturada na escleraretinopexia pneumática, onde é injetado gás para dentro do olho, ou vitrectomia, onde o vítreo é parcialmente removido e substituído por gás ou óleo.[1][7][8][9]
Descolamentos de retina afetam anualmente entre 0,6 e 1,8 em cada 10.000 pessoas, sendo mais comum em homens entre os 60 e os 70 anos de idade.[1][3] Estima-se que aproximadamente 0,3% da população será afetada por essa patologia em algum momento da vida.[10] Os resultados a longo prazo dependerão do tempo do descolamento e se este atingiu a mácula.[1] Se tratado antes desse evento, o prognóstico é geralmente bom.[4][10]

Retinal Detachment | Signs, Symptoms and Treatment





Publicado em 26 de abr de 2016
Welcome! I'm Randall Wong, M.D., a retina specialist in Fairfax, Virginia in the United States.

Thank you for watching this video where I discuss retinal detachments. While there are two types of retinal detachments; traction retinal detachment and rhegmatogenous retinal detachment, I am only talking about the more common, rhegmatogenous retinal detachment - those caused by a retinal hole retinal tear.

A retinal detachment is a potentially blinding condition and occurs when fluid gets underneath the retina through a retinal tear. Just as though you were to peel the wall paper off your walls, a retinal detachment can separate from the inner wall of your eye.

Symptoms of retinal detachment include loss of peripheral vision (early) and may involve your central vision, new flashes and new floaters.

If you experience any of these symptoms, you should alert your eye doctor immediately and follow his/her instructions. Suspected retinal detachments should be handled as an emergency.

Your eye doctor should dilate your pupils and examine you for a retinal detachment, retinal hole and/or retinal tear. The best way to rule out a retinal detachment is by dilating your pupils and directly inspecting your retina.

There are 3 ways to fix a retinal detachment: pneumatic retinopexy, scleral buckle and vitrectomy. Your eye doctor will have his or her own reasons for using a particular approach or technique.

There is no substitute for surgery to repair a retinal detachment.

Timing of surgery for repair of a retinal detachment should be based upon the integrity of your central vision. If the macula is NOT detached, your central vision should be unaffected. Every attempt should be made to fix a retinal detachment before the central vision is affected.

If your central vision is already affected by the retinal detachment, then, in my opinion, the timing is slightly less crucial.

Thanks for watching. I hope you enjoy.

Please feel free to leave a comment or ask questions, here or on www.RetinaEyeDoctor.com

Randy

Randall Wong, M.D.
Retina Specialist

Stem Cell Clinical Trial for Retinitis Pigmentosa: Rosie's Story









28.208 visualizações
Publicado em 21 de mar de 2017
Rosie Barrero has been steadily losing her vision since childhood due to retinitis pigmentosa (RP), an inherited, incurable disease. In 2016, she volunteered for a CIRM-funded clinical trial testing the use of stem cells to restore her vision. In this video, Rosie tells her RP story.

Music by:
Dexter Britain: https://dexterbritain.com/creative-co...
Chris Zabriske: http://chriszabriskie.com

Homeopathic approach in RETINITIS PIGMENTOSA and MACULAR DEGENERATION Dr...









Publicado em 5 de abr de 2018
In This Video Dr Gaurang Gaikwad Shares about Homeopathic approach in RETINITIS PIGMENTOSA and MACULAR DEGENERATION
  • Categoria

White Board: Retinitis Pigmentosa (RP)







Publicado em 30 de mar de 2016
How is stem cell research changing the lives of patients with Retinitis Pigmentosa? Find out how stem cell research at UC Irvine, funded by California’s Proposition 71: California’s $3 billion Stem Cell Research and Cures Initiative, is changing the field.

Degeneração macular causas e sintomas








Publicado em 5 de out de 2016
INSCRITO 131 MIL
No ar há mais de 18 anos o programa De Bem com a Vida entretém e abençoa milhões de telespectadores no Brasil e no mundo. Com a condução especial da Bispa Sonia Hernandes e também da sua filha, a Bispa Fernanda Hernandes, o programa se consolidou como uma das melhores opções da televisão brasileira, na linha de programas femininos; com o diferencial de não só distrair mas de levar a pessoa que assiste para mais perto de Deus. São incontáveis os testemunhos ao longo desses anos de pessoas que tiveram suas vidas tocadas e transformadas pelo poder de Jesus. O programa "De Bem Com A Vida" tem seu espectro de audiência ampliado sendo uma agradável revista eletrônica, ao tratar dos temas mais pertinentes e de interesse da mulher moderna e atual. Com uma abordagem ainda mais abrangente, com quadros interativos nas áreas de saúde, culinária, beleza, família, artesanato, educação dos filhos, entre outros, o programa sempre trata os mais variados assuntos sob o prisma espiritual, dando voz também ao público que pode participar por telefone, e-mail, twitter; independente da sua religião, já que o principal foco do programa é alcançar vidas. A exibição é nacional, de segunda a sexta ao vivo às 8:30, com reprise às 14 horas. No fim de semana programas especiais aos sábados ao meio dia e aos domingos às 14 horas. Acompanhe pela Rede Gospel de Televisão, para saber o canal da sua região, acesse o site da Rede Gospel. Ouça também pelas ondas do rádio através da Gospel FM.
MOSTRAR MENOS

sábado, 22 de setembro de 2018

Período da tarde - bengala verde


Baixa Visão, IPC, Instituto Paranaense de Cegos, Biblioteca Pública do Paraná, Pessoa com Deficiência Visual, PcD, PDV, Curitiba e a PcD, Bengala Verde, inclusão da pessoa com baixa visão, SUS,

Período da tarde (registro interrompidos por problemas técnicos)



links para filmes - Bengala Verde - alta resolução - sem edição


Baixa Visão, IPC, Instituto Paranaense de Cegos, Biblioteca Pública do Paraná, Pessoa com Deficiência Visual, PcD, PDV, Curitiba e a PcD, Bengala Verde, inclusão da pessoa com baixa visão, SUS,
Período da tarde ( registro interrompidos por problemas técnicos)

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Início de encontro sobre Bengala Verde" e a Pessoa com Deficiência Visua...

Algumas imagens

Pessoal chegando - esperando a hora MAF01848

Fôlder Bengala Verde

Bengala Verde

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

II Encontro de pessoas com deficiência visual de Curitiba

Pessoas com deficiencia Horizontal.jpg
II Encontro de pessoas com deficiência visual de Curitiba


Convidamos para o II Encontro de pessoas
com deficiência visual de Curitiba. Neste novo encontro,
a Assessoria dos Direitos da Pessoa com Deficiência
apresentará seus serviços e dará retorno de algumas  
 demandas apresentadas no I Encontro.



CAMPANHA PESSOA COM BAIXA VISÃO E BENGALA VERDE

CAMPANHA PESSOA COM BAIXA VISÃO E BENGALA VERDE


Promoção: Instituto Paranaense de Cegos /IPC
Dia : 21/09/2018 sexta-feira
Local e apoio: Biblioteca Pública do Paraná – Seção Braille
Programação:
Manhã
Das 8:30 às 9:00 - credenciamento 
9:00 às 11:30 – Exposição e debate: "Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência: desafios e perspectivas”, com Profº Enio Rodrigues da Rosa – Diretor Administrativo do IPC
Tarde
13:00 às 13:30 – Lançamento da Campanha PESSOA COM BAIXA VISÃO E BENGALA VERDE com a equipe de criação – Ana Bona e Yago Ballarini
13:30 às 14:00 – Eliana Cunha Lima – Fundação Dorina Nowil – São Paulo: palestra “Baixa visão: um jeito diferente de ver”
14:00 às 14:30 – Ana Paula de Oliveira - IPC - Curitiba – Palestra  “A invisibilidade da pessoa com baixa visão em artigos científicos”
14:30 às 15:00 - Manoel Negraes - Curitiba – palestra “A bengala verde”
15:00 às 15:30 – Depoimentos de pessoas com baixa visão sobre a bengala verde
15:30 às 16:00 –   Questionamentos da plateia  
16:00 – “Boca Maldita” – entrega do material da campanha para a comunidade   





Cleomira F. Burdzinski 
Chefe - Seção Braille
Biblioteca Pública do Paraná
...

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Biblioteca recebe palestra sobre sistema de cores para deficientes visuais

Cleomira Ferreira de Souza
Anexos16:03 (Há 17 horas)
https://mail.google.com/mail/u/0/images/cleardot.gif
https://mail.google.com/mail/u/0/images/cleardot.gif
https://mail.google.com/mail/u/0/images/cleardot.gif
para Rafael
https://mail.google.com/mail/u/0/images/cleardot.gif

Obrigado por divulgar!

Biblioteca recebe palestra sobre sistema de cores para deficientes visuais

A Biblioteca Pública do Paraná recebe no próximo dia 18 uma palestra com cinco pesquisadoras que desenvolveram um sistema de códigos de cores para pessoas com deficiência visual ou baixa visão. Batizado de see color, o sistema permite a identificação das cores por pessoas com deficiência visual através do contato tátil, ao estilo do Braille. A palestra acontece às 13h30, no auditório da BPP. 

Fruto do trabalho de pesquisa da doutoranda em Engenharia Mecânica pela UFPR, Sandra Marchi, o sistema de códigos de cores pode ser impresso diretamente sobre objetos, obras de arte, etiquetas e embalagens em geral. 

Além de Sandra, participam da palestra as estudantes Gisele Ribeiro, Maria Barbosa, Dominique Adam e Kelli Smythe, que se envolveram com o see color a partir de seus trabalhos de mestrado. Após a apresentação, haverá um workshop com as pessoas com deficiência visual no auditório. 

Serviço 
Palestra sobre sistema de cores para pessoas com deficiência visual
18 de maio, às 13h30, no auditório da BPP
R. Cândido Lopes, 133, Centro, Curitiba – PR
Entrada franca
Mais informações: (41) 3221-4985